Prefeitura do Cabo espera economizar R$ 2,1 milhões em 2017

A Prefeitura do Cabo de Santo de Agostinho esperar economizar R$ 2,1 milhões em 2017. O dinheiro virá dos cortes promovidos nas despesas de custeio, que começou a vigorar no dia 1 de fevereiro. O Plano de Contingenciamento de Gastos (PCG) decretado pelo Prefeito Lula Cabral, prevê a redução de 10%. O Governo gastou aproximadamente R$ 21 milhões em 2016 com a manutenção de serviços terceirizados, energia elétrica, veículos, telefonia, água, combustíveis e subvenções sociais, entre outros.

“O que desejamos é melhorar a qualidade das despesas públicas. Com a sobra de recursos será possível investir mais em outros benefícios para a população”, declarou o secretário de Gestão Pública, Lula Lima. A Controladoria Geral do Município está responsável por cobrar das secretarias e demais órgãos públicos, os resultados.

O “vilão” das contas públicas é a energia elétrica. O governo municipal apurou que em 2016 foram gastos mais de R$ 7 milhões com contas de energia. A economia estabelecida para este item é superior a do plano de contingenciamento, ou seja, 15%. O que resultará em R$ 746 mil a mais para os cofres públicos ao final deste ano. “Alguns procedimentos de rotina, como desligar o ar condicionado e lâmpadas ao fim do expediente, são medidas eficazes de combate ao desperdício”, enfatiza o secretário de Gestão Pública.

Em 2016, a locação de veículos foi a segunda maior despesa da gestão municipal (R$ 4 milhões). Com as adequações em andamento deste serviço terceirizado, a Prefeitura estima economizar R$ 1,2 milhão em 2017. Também foi observado uma alta despesa com combustíveis (R$ 1,8 milhão/ano); manutenção de veículos (R$ 1,8 milhão/ano) e comunicação, que inclui divulgação das ações de governo, publicidade, entre outros (R$ 1,3 milhão/ano). Para que o PCG funcione, o comitê gestor formado por representantes de todas as secretarias fará o monitoramento mensal das metas.

Texto: Ana Cristina Lima